Francesca de Prata

Francesca Woodman

Francesca Woodman

|o corredor era sombrio, subia e parecia que não tinha fim
eu era pequenina, de olhos esbugalhados, a tentar perscrutar o que me trazia a escuridão
as paredes, frias pelo tempo, estavam preenchidas de memórias que não eram minhas, memórias de outros, perdidas com a perda que só o passar de uma vida pode trazer
sempre quis ser capaz de superar os meus receios e subir aquelas escadas sem medo e ver quem habitava a escuridão de outrora; mas quando consegui subir os primeiros degraus, já eu era maior que a própria escuridão e já as sombras iluminavam o meu caminho, de tão brancas se tornaram. 
Escuridão, essa, passou a ser memória minha, memória que um dia será perdida como se perderam as memórias da parede fria pelo tempo|
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s